Alunos da rede municipal participam do “Projeto Samuzinho”

Cemig informa locais em que haverá interrupção no fornecimento de energia para manutenção
outubro 2, 2019
Câmara devolve um R$ 1 milhão à Prefeitura
outubro 2, 2019

Alunos da rede municipal participam do “Projeto Samuzinho”

Print Friendly, PDF & Email

Nesta segunda-feira, dia 1º, quarenta alunos da rede municipal de ensino viajaram para a cidade de Varginha para participarem do treinamento do Projeto “Samuzinho na Escola”, que visa a conscientizar a população infantojuvenil, do ensino fundamental, sobre como e quando usar o serviço de urgência/emergência SAMU 192 e sobre os riscos de brincadeiras como o trote.

Acompanhados de seis professores, da Secretária Municipal de Educação Mariângela Alves e do Secretário Municipal de Saúde Nilo Baracho, os alunos foram recebidos pela equipe do NEP – Núcleo de Educação Permanente. Agora, com o treinamento, eles serão propagadores das informações que receberam.

A equipe visitou a  Central Operativa de Regulação, local onde são recebidas todas as ligações 192, a Base Descentralizada e as ambulâncias utilizadas pelas equipes operacionais nos atendimentos de urgência e emergência.

O Projeto tem a intenção de conscientizar as crianças, de forma lúdica, sobre os riscos de brincadeiras com a má utilização de serviços do SAMU -192. Atualmente, cerca de 20% das ligações recebidas pelo serviço de urgência/ emergência SAMU 192 são trotes.

O Programa está recebendo, desde março, deste ano, escolas sediadas nas cidades da Macrorregião do Sul de Minas, que integram o Consórcio Intermunicipal de Saúde (CISSUL).

Participaram desta ação, estudantes das unidades escolares: EM Francisco Pereira Coutinho-CAIC; EM São Vicente de Paulo; EM Dr. Antônio Salomon; EM Olímpio José Joaquim; EM Prof. Carmo Cascardo e CIEM Desembargador Francisco Pereira Rosa.

 SAMU
O SAMU – 192 foi criado em 2003, como parte da Política Nacional de Atenção a Urgências. O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência tem ajudado o Brasil a reduzir o número de óbitos, o tempo de internação em hospitais e as sequelas decorrentes da falta de socorro.

 

Os comentários estão encerrados.