Momento do Servidor: Gabriella Guimarães e Silva apresenta a Fitoterapia na Rede Pública

Acordo de cooperação entre Prefeitura de Itajubá e Centro Universitário de Itajubá (FEPI) proporciona aulas gratuitas de atividade físicas no município
julho 31, 2019
Saúde na Feira: Próxima edição será sobre Doação de Órgãos
agosto 1, 2019

Momento do Servidor: Gabriella Guimarães e Silva apresenta a Fitoterapia na Rede Pública

Print Friendly, PDF & Email

A busca da excelência nos processos de trabalho, a qualidade no atendimento ao cidadão e a valorização do servidor público municipal estão entre as premissas da atual Administração da Prefeitura de Itajubá. Para valorizar ainda mais o trabalho desses profissionais, a Prefeitura lançou o Momento do Servidor, que hoje apresenta Gabriella Guimarães e Silva, para falar sobre a Fitoterapia na Rede Pública.

A Fitoterapia é relativa à utilização de plantas para o tratamento de doenças. Todo produto farmacêutico, seja extrato, tintura, pomada, ou cápsula, que utiliza como matéria-prima qualquer parte de uma planta com conhecido efeito farmacológico, pode ser considerado um medicamento fitoterápico. E no município de Itajubá a fitoterapia é coordenada pela farmacêutica Gabriella Guimarães e Silva.

Gabriella é natural de Itajubá, formou-se em farmácia no ano de 2007 na Universidade Federal de Ouro Preto, com mestrado em Saúde Coletiva pela UNICAMP. Trabalhou durante 5 anos em empresa privada, depois passou a atuar na Saúde Pública, em Poços de Caldas, no Núcleo de Apoio à Saúde da Família (NASF). Atualmente trabalha há 4 anos na Estratégia Saúde da Família (ESF), no bairro Santa Rosa, da Secretaria Municipal de Saúde da Prefeitura de Itajubá. Sua rotina de trabalho é divida em dois turnos, na parte da manhã, na ESF do bairro Santa Rosa, onde é responsável pela dispensação, realizando pedidos e armazenamento dos medicamentos, e na parte da tarde, ela está na Unidade Básica de Saúde (UBS) do bairro Varginha.

O interesse pelo mundo das plantas medicinais veio através de sua família, que fazia o uso das plantas em tratamentos para a saúde, e quando começou a trabalhar na ESF no bairro Santa Rosa, houve a oportunidade de apresentar a população e aos profissionais os benefícios de utilizar a fitoterapia e  em 2016, foi criado grupos educativos com palestras, oficinas, e capacitações sobre plantas medicinais. “Outro projeto muito importante realizado em parceria com a Faculdade de Medicina de Itajubá (FMIT), que ganhou o prêmio INOVASUS, foi à distribuição de cartilhas e benners em todas as ESFs e Unidade Básica de Saúde (UBS) do município” ressaltou a farmacêutica.

Atualmente, a fitoterapia está presente também no Projeto Saúde no Bairro, com a distribuição de panfletos informativos e chás medicinais.

Programa Farmácia Viva

É um programa do Ministério da Saúde, criado em 2010, que realiza as etapas de cultivo, coleta, processamento, armazenamento de plantas medicinais, preparação e dispensação de produtos magistrais e oficinais de plantas medicinais e fitoterápicos. O Sistema Único de Saúde (SUS), implementou esta política pública em todo o Brasil, e tem como objetivo melhor a qualidade de vida das pessoas envolvidas, através de um tratamento constante de sua saúde, e a educação ambiental, desenvolvendo o interesse e o respeito pelo mundo das plantas.

“Recentemente foi enviado ao Ministério da Saúde nosso projeto para que o município de Itajubá seja contemplado com este grande programa” afirmou Gabriella.

Segue a baixo algumas informações importantes sobre as plantas medicinais:

O uso das plantas medicinais requer bastante atenção, pois não pode coletar plantas perto de fossas, lixos, esgotos, locais tratados com agrotóxicos e na beira de estradas. Elas devem ser secas ou frescas de forma adequada para que não ocorra perda do princípio ativo.

Os medicamentos fitoterápicos podem estar em forma de xaropes, remédio em cápsula, pomadas, cremes e géis e as plantas medicinais podem ser dispensadas na forma fresca ou seca. Os benefícios do tratamento são de baixo custo, menos efeitos colaterais. É necessária a recomendação de um profissional que tenha conhecimento em plantas medicinais.

 

 

Os comentários estão encerrados.