Campanha de saúde visual no bairro Santo Antônio é interditada pela Vigilância Sanitária por não ter alvarás sanitário e de eventos

Frentes de Trabalho atendem as demandas do serviço Fala Cidadão
janeiro 22, 2018
Homem que morreu com suspeita de febre amarela não era morador de Itajubá. Caso está sendo investigado pela Secretaria de Saúde
janeiro 23, 2018

Campanha de saúde visual no bairro Santo Antônio é interditada pela Vigilância Sanitária por não ter alvarás sanitário e de eventos

Print Friendly, PDF & Email

 

 

Publicado por SECOM em: 22/01/2018

 

No último sábado, 20 de janeiro, fiscais da Vigilância Sanitária – órgão da Prefeitura de Itajubá vinculada à Secretaria de Saúde – atenderam denúncia a respeito de uma campanha de saúde visual que estava sendo realizada em uma igreja evangélica no bairro Santo Antônio.

A Vigilância Sanitária entrou em contato com os responsáveis pela campanha e verificaram que não havia solicitação para documentação de liberação do Alvará de Eventos, bem como o Alvará Sanitário.

Na manhã de sábado, dia 20, a Vigilância esteve no local e constatou que havia pessoas cadastrando-se para consulta mediante o pagamento de uma taxa de R$ 15,00. Os responsáveis pela campanha receberam um Auto de Interdição por estarem em desacordo com o Art. 99 (Inciso II – Descrito Abaixo) do Código de Saúde do Estado de Minas e Art. 44 do Código de Saúde Municipal (descritos abaixo).

No local também não foi evidenciada a presença do médico oftalmologista (profissional habilitado para realização de exames de refração) que era o objetivo da campanha de acordo com a propaganda da empresa Attual Vision nas redes sociais.

Vale lembrar a toda população que para este tipo de campanha é obrigatório o Alvará de Eventos e o Alvará Sanitário, que garantem que o local, além de adequado para realização da campanha, possui todos os equipamentos necessários para realização de um exame oftalmológico de qualidade, e que o profissional é habilitado e registrado no Conselho Regional de Medicina para realizar os exames.

*Se houver interesse em promover esse tipo de campanha o Departamento de Vigilância Sanitária deve ser procurado para que as informações referentes a realização do evento sejam repassadas. Lembrando que pelo Código Defesa do Consumidor e pelo Código de Ética do Conselho Federal de Medicina é proibido ofertar consulta gratuita e ou com desconto na compra de óculos (VENDA CASADA). A recomendação é que o consumidor denuncie os profissionais que adotem tais práticas.

Código de Saúde do Estado de Minas Gerais

Art. 99 – Constituem infrações sanitárias, ressalvadas as previstas na legislação federal e sem prejuízo do disposto no art. 98 desta lei:
I – construir, instalar ou fazer funcionar, sem autorização de funcionamento, autorização especial ou alvará sanitário emitidos pelos órgãos sanitários competentes, os estabelecimentos sujeitos ao controle sanitário definidos nesta lei, o que sujeita o infrator à pena de:
a) advertência;
b) interdição total ou parcial do estabelecimento, da atividade ou do produto;
c) cancelamento do alvará sanitário;
d) cassação da autorização de funcionamento ou da autorização especial;
e) multa;
II – fazer funcionar sem a assistência de responsável técnico legalmente habilitado os estabelecimentos de prestação de serviços de saúde e os estabelecimentos em que são produzidos, transformados, comercializados, armazenados, manipulados, analisados, preparados, extraídos, purificados, fracionados, embalados, reembalados, importados, exportados, expedidos, distribuídos e transportados produtos sujeitos ao controle sanitário, o que sujeita o infrator à pena de:
a) advertência;
b) inutilização do produto;
c) suspensão da venda ou fabricação do produto;
d) cancelamento do registro do produto;
e) interdição total ou parcial do estabelecimento, da atividade ou do produto;
f) cancelamento do alvará sanitário;
g) cassação da autorização de funcionamento ou da autorização especial;
h) intervenção administrativa;
i) multa;

Código de Saúde do Município de Itajubá

Art. 44 – Instalar ou manter em funcionamento consultórios médicos, odontológicos e estabelecimentos de pesquisas clínicas, clínicas de hemodiálise, serviços hemoterápicos, bancos de leite humano, de olhos e estabelecimentos de atividades afins, institutos de esteticismo, ginástica, fisioterapia e de recuperação, balneários, estâncias hidrominerais, termais, de repouso, e congêneres, gabinetes ou serviços que utilizem aparelhos e equipamentos geradores de raios X, substâncias radioativas, ou radiações ionizantes e outras, laboratórios, oficinas e serviços de ótica, de aparelhos ou materiais óticos, de prótese dentária, de aparelhos ou materiais para uso odontológico, sem licença sanitária, autorização do órgão sanitário competente ou contrariando o disposto nas demais normas legais e regulamentares pertinentes:

Os comentários estão encerrados.